Há um vício em andamento. As letras vivem seu pequeno deleite sempre que por elas passam os olhos dos leitores. A vida há nas letras ou nos olhos de quem lê? sentencia o conhecedor: há de ser nas mãos de quem escreve. Evite esforço, aqui não há espaço para respostas. É a contrução que nos interessa, o caminhar, o processo, a empresa de fazer um pensamento. Espaço da criação do futuro da literatura brasileira. Ler e escrever: o remédio para o vício da criação.

25 junho, 2010

Carta na Garrafa

O mundo acabou primeiro do lado de cá.

Mas ainda me restam cabeça e mão direita.

Na manhã fresquinha do dia de hoje a aurora pareceu dobrar-se.

Uma linha azul-marinho parecia fixada no horizonte e logo pensei ser eu o primeiro homem a ver um meridiano em carne e osso.

Então caminhei na sua direção, caminhei a gastar horizontes.

Quando finalmente me aproximei do meridiano ele ameaçou desmoronar.

Pedaços de tinta gigantes pingavam no chão abrindo buracos.

O meridiano desbotou-se desarmando o horizonte.

Corri feito leão mas um pingo de tinta me separou as pernas do corpo.

Enquanto me restam cabeça e mão direita envio este alerta a você.

Em algum momento esta dobra estranha vai quebrar a paisagem da sua janela.

Até lá, viva como puder.

1 Comments:

Blogger Brani said...

gostei thiago! = )

4:50 PM

 

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home